Da França ao Brasil, como um apaixonado por nossos tesouros culinários se tornou padrinho de um projeto nacional, por todas as crianças. Afinal, solidariedade e boa comida nunca encontraram fronteiras.

claude-troisgros-a
O nome Troisgros está no cenário gastronômico há pelo menos três gerações.  A família começou sua tradição na França das anos 30. Pioneiro, Jean-Baptiste, o avô, provocou um tumulto no restrito círculo culinário francês ao sugerir vinho tinto para acompanhar peixe. Pierre, pai de Claude e irmão de Jean, foi encorajado a seguir essa forma inquieta e ilimitada de cozinhar, definida por Jean-Baptiste como “a capacidade de harmonizar os tesouros da terra”. Os irmãos Troisgros, junto com o grande amigo Paul Bocuse, inspiraram a revolução que até hoje suscita polêmica em todo o mundo: a nouvelle cuisine francesa.

O Restaurante Troisgros, em Roanne, França, colocou a pequena cidade no mapa da gastronomia mundial. Anos depois, como reconhecimento, a prefeitura da cidade pintou sua estação de trem nas cores rosa-salmão e verde, em homenagem a uma das principais e revolucionárias criações dos Troisgros: um salmão tostado por fora, mas absolutamente translúcido por dentro, servido com molho de azedinha. Criações como esta logo garantiram ao restaurante as cobiçadas três estrelas do Guia Michelin.

 

Nascido nessa família de alquimistas, não se poderia esperar menos de Claude, um dos grandes nomes da gastronomia internacional, construtor da ponte moderna entre as cozinhas francesa e brasileira. Formado pela Escola de Hotelaria Thonon Les Bains, chegou ao Brasil pelas mãos de Gaston Lenotre, que há mais de três décadas desbravava a gastronomia carioca com o Le Pré Catalan, onde o jovem chef iniciou sua carreira. Fixou-se no Rio de Janeiro, formou sua família e, apaixonado pelo Brasil, lançou uma nova perspectiva culinária, que se tornou sua marca registrada. Ingredientes e sabores brasileiros, como caju e açaí, tornaram-se companheiros fieis de clássicos como o foie gras, o caviar e até mesmo o soufflé.

 
Nos seus 32 anos de permanência no Brasil, Claude Troisgros abriu vários restaurantes e também levou sua cozinha mundo afora: encantou de Mick Jagger e Elton John até autoridades como o ex-presidente norte-americano Bill Clinton. No Olympe, no Rio, reconhecido pela crítica inúmeras vezes como o melhor restaurante francês da cidade, serve pratos fascinantes, como o ravioli recheado de mousseline de inhame em molho aveludado de trufa branca, o filé de linguado grelhado com banana e o famoso cheesecake caramelado com calda de goiaba – uma das melhores adaptações do Romeu e Julieta para o paladar da alta cozinha.

 
Imensamente premiado e prestigiado, apresentou por quatro anos o programa Menu Confiança, no canal GNT, e atualmente comanda no mesmo canal o “que Marravilha”, onde prepara receitas a pedido de telespectadores. Desde 2011, Claude apadrinha o projeto Copa Gastronômica Gols pela Vida, a fim de arrecadar recursos para o Instituto de Pesquisa Pelé Pequeno Príncipe, com sede em Curitiba. Afinal, tem algo mais solidário e delicioso do que saborear uma maravilha em prol de uma causa nobre?